“Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo.” (Tg 5:16)

A obra de Deus é espiritual e não podemos realizá-la com recursos materiais. Ninguém pode converter alguém. Isto é obra do Espírito Santo, e é necessário oração para que aconteça. Ninguém pode guardar um discípulo de cair. Só podemos guardar e proteger os discípulos pela oração. Ninguém pode transformar um coração. Isto é obra do Espírito Santo, e necessitamos interceder para que isto ocorra. Ninguém pode curar um enfermo. Só Deus. E ele ordena que oremos para que ele possa operar. Ninguém pode dar revelação da Palavra de Deus a outro. Isto é obra do Senhor, que acontece a partir da oração.

A oração é nosso trabalho mais eficaz.

Ela vai aonde nós não podemos ir.


Um cheque sem limite

“E esta é a confiança que temos para com Ele: que, se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve. E, se sabemos que ele nos ouve quanto ao que lhe pedimos, estamos certos de que obtemos os pedidos que lhe temos feito.” (1Jo 5:14-15) Que confiança temos! Que certeza de fé! Não resta nenhuma dúvida, todas as orações que fazemos, segundo a vontade de Deus, são ouvidas e atendidas. Este é um cheque sem limite de valor. A oração é um recurso poderosíssimo. Que o Espírito Santo nos dê plena fé e revelação da eficácia da oração. Compreensão de que quando estamos apresentando orações a Deus, estamos realizando nosso trabalho mais potente e produtivo.

Há muitíssimas coisas a realizar e necessidades a suprir, esperando pelas nossas orações! É importante lembrar que Deus responde as orações, mas nem sempre no momento e da forma que nós esperamos ou gostaríamos, mas sempre segundo a sua vontade, que é boa, agradável e perfeita (Rm 12:2).


Jesus orava pelos discípulos

“Simão, Simão, eis que Satanás vos reclamou para vos peneirar como trigo! Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; tu, pois, quando te converteres, fortalece os teus irmãos.” (Lc 22:31-32)

“Já não estou no mundo, mas eles continuam no mundo, ao passo que eu vou para junto de ti. Pai santo, guarda-os em teu nome, que me deste, para que eles sejam um, assim como nós. Quando eu estava com eles, guardava-os no teu nome, que me deste, e protegi-os, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura.” (Jo 17:11-12)

Como Jesus poderia guardar e proteger a Pedro e a seus discípulos? A única maneira era pela oração. Por isso Paulo nos exorta: “... com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos.” (Ef 6:18).

Pela oração, guardamos e protegemos nossos irmãos.

Paulo orava por todos os irmãos

“Porque Deus, a quem sirvo em meu espírito, no evangelho de seu Filho, é minha testemunha de como incessantemente faço menção de vós em todas as minhas orações...” (Rm 1:9-10)

“... não cesso de dar graças por vós, fazendo menção de vós nas minhas orações, para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele.” (Ef 1:16-17)

“... fazendo sempre, com alegria, súplicas por todos vós, em todas as minhas orações, pela vossa cooperação no evangelho, desde o primeiro dia até agora.” (Fp 1:4-5)

“Por esta razão, também nós, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós e de pedir que transbordeis de pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual; a fim de viverdes de modo digno do Senhor, para o seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus...” (Cl 1:9-10)

Paulo tinha a convicção de que a fé daqueles irmãos dependia de que ele orasse por eles. Por isso esforçava-se incessantemente em oração por eles. Certamente o crescimento espiritual daqueles irmãos e o espantoso avanço da obra realizada por Paulo deveram-se a este segredo: a intensa intercessão. A este respeito também, chama-nos a atenção, o testemunho que Paulo dá a respeito de Epafras, seu cooperador: “Saúda-vos Epafras, que é dentre vós, servo de Cristo Jesus, o qual se esforça sobremaneira, continuamente, por vós nas orações, para que vos conserveis perfeitos e plenamente convictos em toda a vontade de Deus.” (Cl 4:12)

Eis aqui um irmão não muito famoso, mas muito conhecido por Deus, pois se esforçava, apresentando-se continuamente diante dele, em favor dos Colossenses, do qual certamente dependeu toda a obra realizada pelo Senhor naquela cidade.


Não orar é pecado?

“Quanto a mim, longe de mim que eu peque contra o SENHOR, deixando de orar por vós ...” (1Sm 12:23)

Exemplos bíblicos da eficácia da oração:

• Pedro foi livre da prisão por haver “oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Atos 12:5-11

• O centurião Cornélio, “homem piedoso e temente a Deus, que continuamente orava a Deus”, ouviu, numa visão, um anjo lhe dizer: “suas orações subiram para memória diante de Deus.” Atos 10:2,4